Cultura

Casa Museu Óscar Ribas aposta em oficina de arte

A criação de uma oficina permanente para a produção de diversas obras de arte, inspiradas nos trabalhos de investigação de Óscar Ribas, tem sido dos principais desafios da Casa Museu Óscar Ribas, informou, ontem, a directora do espaço, Maria Fernando de Almeida.

O projecto, criado há dois anos, inclui uma oficina de arte, onde são produzidas peças de teatro, músicas, coreografias, banda desenhada, carpintaria criativa, cerâmica, pinturas e trabalhos com materiais recicláveis.

A maioria das produções, explicou, são assentes nos contos do etnólogo e têm sido apresentadas entre as actividades socioculturais da Casa Museu Óscar Ribas. “Em um ano, o projecto, criado a princípio para crianças e adolescentes, serviu, também, para dar formação a alguns aficionados das artes”, disse, acrescentando que ficaram surpreendidos com o número de pedidos.

Numa primeira fase, adiantou, conseguiram formar mais de 150 pessoas, entre crianças e adultos. “O objectivo é ainda dar oportunidade aos jovens de mostrarem o talento que têm para as artes”, assegurou.

Dificuldades

Actualmente, destacou Maria Fernando de Almeida, a Casa Museu Óscar Ribas tem encontrado dificuldades para dar seguimento ao projecto, que o ano passado teve o apoio de instituições públicas e privadas, mas agora está a ser limitado, devido ao Estado de Emergência.

“Tivemos de adiar o projecto e ainda não temos uma data para o início da segunda fase dos trabalhos”, informou, adiantando que nesta fase têm vivido inúmeras dificuldades para gerir o espaço, pelo facto de o valor dado para a manutenção da Casa Museu ser irrisório.

Apesar das inúmera dificuldades, a directora prometeu continuar a manter acordos para dar continuidade ao projecto de formação artística aos jovens. “É importante olhar para o futuro da juventude e ajudá-los a desenvolverem os próprios programas artísticos. Para tal esperamos continuar a contar com o apoio dos patrocinadores”.

Desafios

Outra das prioridades da Casa Museu para este ano, após o termino da pandemia, é a reabilitação de um Parque Infantil, na localidade de Catete, no Icolo e Bengo, em Luanda. O objectivo, conta, é dar melhor aproveitamento as instalações, que podem servir à realização de actividades artísticas nos centros urbanos distantes da cidade capital. O local, que se encontra abandonado e degradado há vários anos, vai ser aproveitado para a criação de um centro de formação artística, para pessoas dos 4 aos 35 anos, nos mais variados domínios das expressões artísticas.

O projecto, garantiu, vai ter um carácter inclusivo e pedagógico junto da comunidade e ajudar a dar maior valorização a matriz cultural local. “Queremos ainda criar uma biblioteca e várias oficinas de arte no local. Conheço bem a localidade e fico triste por testemunhar o nível de degradação do Parque Infantil e de outras áreas adjacentes”.

Casa Museu

A Casa Museu Óscar Ribas está localizada no bairro Cruzeiro. O lugar guarda memórias de uma das figuras mais importantes da literatura angolana. A casa onde Óscar Ribas viveu, entre 1975 e 1983, é agora um museu, fundada a 4 de Junho de 1983, pela extinta Secretaria de Estado da Cultura. A Casa é composta por nove salas de exposições permanentes, uma delas sobre o autor.