Cultura / Teatro

Franceses querem maior aproveitamento das artes

A originalidade e a oralidade, muito presente do teatro angolano devem ser melhor aproveitado no processo educativo das crianças, sugeriu, ontem em Luanda, a presidente da Academia Internacional de Teatro Infantil (AITI), Elisabeth Toulet.

Em declarações ao Jornal de Angola, Elisabeth Toulet disse ter ficado impressionada pelo trabalho que tem sido desenvolvido no país para dinamizar as artes, principalmente, o teatro infantil.
A espontaneidade e naturalidade dos actores angolanos, garante a presidente da AITI, deve ser fortalecida com acções formativas, de maneira a ajudar a superar algumas debilidades técnicas e da comunicação expressiva para dar maior qualidade das obras apresentadas.
A também actriz francesa, que já regressou ao seu país, explicou ter sido convidada a participar em Angola no seminário sobre “A Pedagogia da expressão teatral”, realizada segunda e terça-feira, no Magistério Primário, em Luanda, numa iniciativa do Centro de Animação Artística do Cazenga (ANIM’ART).
A importância de uma maior aproximação de ambas as culturas, disse Elisabeth Toulet, pode ser bastante produtiva na promoção de um espaço para o diálogo aberto e orientador sobre questões ligadas a pedagogia da expressão teatral propiciando mecanismos de intervenção e actuação directa nas escolas.
Para a formadora francesa Christine Saillet as oficinas, que vão ser ministrada de 19 a 20 do corrente mês, no ANIM’ART, vai permitir melhorar a qualidade dos actores angolanos, mais voltados para as actividades lúdicas infantis, procurando recorrer mais às técnicas corporais em detrimentos das técnicas da oralidade.
O formador luso-francês Francis Marques disse que o seminário “A Pedagogia da expressão teatral” tem um pendor informativo subdividido em oficinas de expressão teatral para professores, encenadores e actores no período da manhã.

Criação do Núcleo

A criação do Núcleo de Expansão do Teatro Escolar (NETE) foi a proposta apresentada durante a realização do seminário, tendo em vista a multiplicação da acção, disse, o director do Centro de Animação Artística do Cazenga (ANIM’ART), Orlando Domingos.
Em declarações ontem ao Jornal de Angola, disse que a ideia é promover um espaço para o diálogo aberto e orientador sobre questões ligadas a pedagogia da expressão teatral propiciando mecanismos de intervenção e actuação directa nas escolas.
Desta forma, explicou Orlando Domingos, o ANIM’ART, como um espaço de promoção e desenvolvimento de acções para a elevação do nível cultural da ju­ventude, estaria a cumprir com um dos pressupostos do projecto através da participação nas actividades da vida social e comunitária.
Nessa primeira fase, recordou, que a realização do seminário, contou mais de 120 participantes. O projecto desenvolve em parceria com as suas congéneres francesas, Fra Angelico e Tournefou, no âmbito da cooperação artística e cultural com o ANIM’ART, enquanto membro da Associação Internacional de Teatro para a Infância e a Juventude (ASSITEJ), que é lançar as premissas para a implantação do Teatro Escolar.
Abraçaram igualmente o projecto, os especialistas franceses ligados a referida Academia Internacional de Teatro Infantil, Ministério da Educação, Embaixada de França, a Empresa Total e Alliance Française. Essa parceria existe desde 2007.
O Centro de Animação Artística do Cazenga, criado em 1998, é um espaço de intervenção cultural do município, com cerca de dois milhões de habitantes, que congrega jovens artistas e criadores nos diferentes domínios da arte. O espaço acolhe o FESTECA, Festival Internacional de Teatro do Cazenga, organizado pela Associação Globo Dikulu- Acção para o Desenvolvimento Juvenil.