Desporto

Nary e Fabrício querem regressar ao Interclube

O médio-defensivo Nary Dinis, ex-Petro de Luanda, e o central Fabrício Mafuta, ex-FC Bravos do Maquis, reiteraram, ontem, ao Jornal de Angola, o desejo de voltarem a vestir a camisola do Interclube, já na próxima época.

Os dois jogadores, actualmente sem clube, justificaram a ambição de regressar ao Rocha Pinto, com o facto de acreditarem ter sido ao serviço da equipa da Polícia que viveram, as melhores experiências das carreiras.

Se, por um lado, Nary, 33 anos, acrescenta a isso a particularidade de ter erguido o troféu de campeão nacional do Girabola, em 2010, na altura, sob orientação do técnico português Álvaro Magalhães, por outra, Fabrício, 31, destaca a brilhante campanha rubricada na Taça da Confederação, em 2011, época em que estiveram perto de repetir o feito de 2001.

“Tive muito boas experiências no Interclube e gostava de repeti-las. Sou um jogador livre, mas estou confiante que o futuro será brilhante. Tenho a lamentar apenas o facto de não ter ficado mais anos no Petro, porque estava a ser uma época também agradável. Gostava de poder voltar a gozar de nova oportunidade de jogar no Interclube”, confessou Nary Dinis.

Fabrício Mafuta assevera estar orgulhoso por ter feito parte de um grupo de trabalho, no 22 de Junho, que considera “espectacular”, orientado, primeiro pelo professor António Caldas e, depois, por Bernardino Pedroto, ambos portugueses. “Terminei o contrato com o Bravos e espero decidir o meu futuro, em breve. Preferências? Penso que seria muito bom voltar a jogar no Inter. Não sei se surgirá uma proposta, mas se tal acontecer, estarei muito satisfeito, porque sempre gostei de representar o Inter. Acho que fiz parte do melhor grupo que por lá passou. Foi uma inesquecível experiência. Quero muito repeti-la”, revelou o central, que ganhou o apelido de 'Fábregas’, no Interclube.

“Tenho também a intenção de jogar em Luanda, porque estive muito tempo distante da família, que reside na capital. Esta coisa de jogar numa cidade e a família estar noutra, às vezes, cria embaraços ao desempenho em campo, sobretudo quando temos alguém doente”, acrescentou o defesa central.
De resto, a concretização do sonho dos dois jogadores, em voltar a uma “casa” que bem conhecem, está igualmente dependente de um eventual interesse da actual equipa técnica dos 'polícias', encabeçada pelo treinador português Ivo Campos.