Desporto

Novo pentacampeão reforça disputa entre os arqui-rivais

À procura de um desempenho distinto na fase de grupos da 24ª edição da Liga dos Clubes Campeões Africanos de fu-tebol, 1º de Agosto e Petro de Luanda, as maiores potências da modalidade em Angola, travam uma disputa cerrada pela conquista do título do Girabola, prova que pode conhecer o segundo penta-campeão do seu historial.

Vencedores das primeiras três edições do campeonato mais nacional do desporto angolano, que em 40 anos de existência já passou pelas 18 províncias do país, os militares do Rio Seco estão focados na renovação do ceptro, feito que criará um quadro de empate entre os arqui-rivais, quanto à conquista de cinco troféus consecutivos.
Únicos detentores desta série de vitórias (1986, 87, 88, 89 e 90), os petrolíferos do Eixo Viário, afastados do pódio há uma década, apostam as fichas na inviabilização do objectivo do seu maior adversário, dominador da competição nos últimos anos, com os triunfos nas épocas de 2016, 17, 18 e 18/19, depois de um período de alternância na hegemonia entre o Recreativo do Libolo e o Kabuscorp do Palanca.
A vitória no último clássico dos clássicos, por 2-0, numa tarde de casa cheia no Estádio Nacional 11 de Novembro, foi uma manifestação de força dos tricolores. Comenta-se nos meandros da modalidade que os históricos da fundação do Petro de Luanda reforçam a direcção encabeçada por Tomás Faria, no movimento que visa frustrar o objectivo dos rubro e negros.
Preferido dos sócios e adeptos, para a condução dos destinos do 1º de Agosto, num terceiro mandato, Carlos Hendrick da Silva revela tranquilidade, certo de que a estrutura desportiva e administrativa montada no clube está à altura das dificuldades impostas pelo grande rival. A confiança dos militares encontra suporte na coesão do plantel, entrosado há seis anos. Outro registo que apimenta a disputa entre os emblemas é o facto de a vitória da formação afecta às Forças Armadas Angolanas colocar a diferença em um troféu. Os petrolíferos têm 15 títulos, contra os 13 do opositor apostado em anular o fosso na próxima temporada.
Entre os adeptos, cresce a expectativa em relação ao desfecho do choque de titãs. Os seguidores da equipa do Catetão esbanjam confiança num desfecho feliz, a julgar pelo triunfo fora de casa, proeza virgem na primeira volta, desde que os colossos se mudaram da mítica Cidadela para o moderno 11 de Novembro.
Habituados a ver o clube fechar o campeonato em alta, a legião agostina prepara a festa para o segundo turno da competição, na certeza de que se vai repetir o quadro favorável aos homens do antigo RI-20, detentores de um acentuado domínio nos desafios disputados na nova catedral, transformada em sala de celebrações dos rubro e negros.

Reabilitar imagem beliscada na Liga dos Campeões

Censurados pelo desempenho menos conseguido na fase de grupos da Liga dos Clubes Campeões, cuja nota marcante é a presença de ambos na última posição do respectivo grupo, com apenas um ponto somado, em seis possíveis, 1º de Agosto e Petro de Luanda acertam o passo na competição interna.
Comandantes do Girabola, 30 pontos, os militares do Rio Seco recebem domingo a Académica do Lobito, concorrente modesto que assina uma campanha de equipa identificada com o topo da tabela. A derrota (0-2), na deslocação ao reduto do Zamalek do Egipto, depois do empate (1-1), na recepção aos zambianos do Zesco United, para o Grupo A da prova continental, obriga os pupilos do bósnio Dragan Jovic a darem uma resposta à altura do potencial competitivo do plantel.
Os próximos três jogos do campeonato devem ser aproveitados pelo 1º de Agosto para ensaiar o desafio diante do TP Mazembe, no dia 27 em Luanda, aguardado com grande expectativa, por força da expressiva comunidade de cidadãos do Congo Democrático em Angola. Na segunda posição, 29 pontos, o Petro de Luanda, às ordens do espanhol Antonio Cosano, vem igualmente de uma safra continental pouco expressiva, ao perder (0-3) em Pretória, na visita aos sul-africanos do Ma-melodi Sundowns, na abertura do Grupo C, ao que se seguiu a igualdade caseira (1-1), frente ao USMA da Argélia.
Sábado, os tricolores recebem o Recreativo do Libolo, adversário mergulhado num aparente abrandamento, após o desaire copioso (1-4) diante dos detentores do título, em plena vila de Calulo. Os tricolores são candidatos à conquista dos três pontos.