Economia

40 projectos reanimam sector dos Transportes

O ministro dos Transportes, Ricardo de Abreu, anunciou ontem, na cidade do Huambo, durante a abertura do 12º Conselho Consultivo daquele Ministério, que o Executivo angolano lança a curto e médio prazo 40 novos projectos que vão alavancar o desenvolvimento dos sectores aéreo, rodoviário, ferroviário e marítimo-portuário do país nos próximos 20 anos.

Ricardo de Abreu revelou as acções inseridas no Plano Director Nacional dos Transportes e que, nos próximos dias, serão apreciados pelo Conselho de Ministros, prevendo a criação de uma unidade de gestão de projectos, concessões e Parcerias Público-Privadas.

As decisões, acrescentou Ricardo de Abreu, incluem a criação de uma agência marítima nacional e a harmonização técnica, legal e regulatória dos caminhos-de-ferro angolanos, de modo a convergir com os padrões adoptados pela Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC).
Outras acções anunciadas para o arranque são o Plano Nacional de Hidrografia e o cumprimento rigoroso dos compromissos nacionais do Plano Director Regional de Desenvolvimento de Infra-estruturas da SADC.
O Plano Director Nacional dos Transportes, que será levado à consideração do Titular do Poder Executivo, o Presidente João Lourenço, prevê ainda a expansão dos terminais de passageiros dos aeroportos Albano Machado, na cidade do Huambo, da Catumbela, em Benguela, da Muncanca (Lubango) e do Soyo (Zaire) e a construção do aeroporto de Mbanza Kongo.
“O Plano Director Nacional do Sector dos Transportes constitui um instrumento de suporte ao desenvolvimento económico e social do país, à sua integração no espaço económico da SADC e no mercado global. Ele também cria a bússola que nos vai ajudar a definir os investimentos prioritários do sector, envolvendo o sector privado na base das parcerias público-privadas via regime BOT (construção, operação e transmissão) e outros”, declarou Ricardo de Abreu.
O ministro afirmou ainda que a materialização do Plano de Desenvolvimento Nacional deve assegurar, até 2021, que Angola atinja uma conformidade junto da Organização Internacional de Aviação Civil (ICAO) acima dos 65 por cento.
O sector tem de trabalhar com rapidez para que Angola abandone a lista negra da Organização Marítima Internacional, havendo acções em curso com peritos daquela organização, na busca da consumação deste objectivo.
“Estamos a envidar esforços para que, nos próximos tempos, tenhamos um encontro, em Londres, com altas esferas da Organização Marítima Internacional para com eles tratarmos de assuntos relacionados a esta matéria”, anunciou.
Ricardo de Abreu avançou, ainda, que, no âmbito dos programas do Ministério que dirige, estão previstos trabalhos de expansão do Porto de Luanda, a criação de novos planos de mobilidade para as principais cidades angolanas, o aumento da capacidade operacional do Aeroporto Internacional 4 de Fevereiro, em Luanda, e a ligação ferroviária à Zâmbia.
O 12º Conselho Consultivo encerra hoje, no segundo dia das discussões realizadas para analisar as actividades desenvolvidas ao longo dos últimos 14 meses e projectar acções que levarão às mudanças anunciadas pelo ministro.
Os desafios das Linhas Aéreas de Angola (TAAG) diante do Programa de Privatizações (ProPriv), plataformas logísticas no processo de desenvolvimento rural, assim como a parceria com a Associação dos Taxistas de Angola também são temas a discutir durante o encontro.