Economia

BNA faz compra coerciva a bancos

O BNA realizou, quarta-feira, a compra coerciva de 89.568.454 dólares a quatro bancos comerciais que excederem os limites de posição cambial, acumulando moeda adquirida e não repassada aos clientes.

Uma nota do Banco Nacional de Angola (BNA) enviada à nossa redacção explica que os bancos comerciais não cumpriram a legislação em vigor, que estabelece a manutenção diária de uma posição cambial que não exceda 5,00 por cento dos fundos próprios regulamentares.
A lei também obriga a que, não havendo instruções de clientes ou não tendo condições de as executar, os bancos comerciais devem vender o excesso de divisas aos demais bancos no mercado cambial interbancário, ou, em último caso, ao BNA.
Na nota, o BNA revela que, de acordo com o Aviso 14/19 de 2 de Dezembro, o limite de posição cambial baixa de 5,00 para 2,5 por cento a partir do dia 2 de Janeiro de 2020, o que está alinhado às mais recentes decisões do Comité de Política Monetária e uma medida projectada para estimular maior dinamismo e eficiência do mercado cambial.
A reforma cambial iniciada pelo BNA em Janeiro de 2018 e aprofundada no final de Outubro último, com a liberalização da taxa de câmbio, tem estado a resultar na convergência das taxas dos mercado secundário e para paralelo, com sinais de que, este último está a esgotar a capacidade de oferecer mais kwanzas por unidade de dólar e de euro.
De acordo com estatísticas disponíveis, na terça-feira, o diferencial entre taxa das casas de câmbio e do paralelo era de 8,37 por cento para o dólar e de 4,28 para o euro, depois de spreads respectivos de 15,5 e 15,1 por cento no início do ano.