Economia

BPC encerra 53 agências a partir de 13 de Julho

O Banco de Poupança e Crédito (BPC) vai proceder ao encerramento a partir de 13 de Julho, do corrente ano, 53 agências bancárias, das quais 22 na província de Luanda.

A informação consta de um comunicado daquela instituição bancária, publicado ontem, no Jornal de Angola, cuja medida insere-se no âmbito do processo de redimensionamento da rede de agências. O comunicado indica que serão encerradas também agências no Cunene Benguela, Cuando Cubango, Cabinda, Uíge, Malanje, Lunda Sul, Bengo, Huíla,Cuanza-Sul e Namibe.

Despedimentos

Durante uma conferência de imprensa realizada em Junho, o Conselho de Administração do banco, informou que, um terço da força de trabalho vai ser despedido dentro dos próximos três anos, assim como o encerramento de pelo menos 20 balcões, dos 60 existentes, e a redução das actuais 35 unidades de negócio.

Actualmente, são perto de cinco mil, o número de trabalhadores controlados pelo banco de Poupança e Crédito. A administração do banco já admitiu que ninguém ficará no “olho da amargura”, já que a política para a reforma efectiva ou antecipada deve passar por programas de formação e de inserção económica dos funcionários a dispensar.

O mais certo, é que o BPC pode gastar perto de 18 mil milhões de kwanzas, para essa operação (indemnização e concessão de crédito para investimento dos trabalhadores a dispensar).

Além disso, o BPC deve reduzir os custos operacionais em torno de 30 por cento, permitindo que a instituição possa, a médio prazo, recuperar a credibilidade e a confiança do público. A implementação de uma rede de agentes bancários será uma das maiores apostas do banco, que é hoje o “caixa forte” do Estado.

O maior banco de capitais público conseguiu recuperar 50 por cento do valor de uma fraude que foi detectada em meados de Abril deste ano, depois de os respectivos sistemas informativos terem detectado transferências ilegais para bancos privados, de pelo menos 434 milhões de kwanzas.