Economia

Empresários angolanos buscam parcerias no Cairo

Uma missão empresarial angolana, encabeçada pelo ministro do Comércio, Joffre Van-Dúnem Júnior, participa entre os dias 11 e 17 na I Feira de Negócios Intra-África (IATF-2018), a decorrer na cidade do Cairo, Egipto, numa promoção da União Africana (UA) e o consórcio de bancos do continente, Afreximbank.

A missão, composta por 120 individualidades, das quais 24 expositores, re-presenta o país numa das principais plataformas de comércio africano. No total, estão presentes 1.054 expositores e convidados, en-tre Chefes de Estados e de Governo africanos, políticos, homens de negócios e jornalistas.
Ontem, a Comunidade de Empresas Exportadoras e Internacionalizadas de Angola (CEEIA), uma das co-organizadoras do evento no país, reuniu directores e administradores dos órgãos de Comunicação Social públicos e privados para apresentar  a estratégia de divulgação da feira.
O presidente da CEEIA e embaixador de Angola na Feira Intra-África, Agostinho Capaia, disse que o objectivo é apresentar o país no continente como um dos principais destinos de investimento em África. “Queremos estabelecer relações de negócios entre empresas nacionais e congéneres africanas e criar uma plataforma para que possam trocar informações para a concretização dos negócios”, disse, lembrando que os promotores do evento, a Afreximbank e a União Africana, têm disponíveis 25 mil mi-lhões de dólares para financiar projectos de empresas africanas.
Para Agostinho Capaia, a feira é uma oportunidade de as empresas angolanas captarem financiamentos para desenvolver projectos, principalmente nas áreas definidas pelo Executivo de João Lourenço.
Angola conta com um pavilhão multissectorial de 600 metros quadrados, onde vai promover o seu potencial, nos mais variados sectores.
Empresas como o Grupo OPAIA, AIBA, ANIMA, Banco BAI, Federação de Mulheres Empresarias (FMEA), Grupo AA, BMP, Banco de Desenvolvimento de Angola (BDA), Banco Sol, CNC, AE Energy, Logipharma, FILDA e Expo-Indústria , Angola Cables, BDM, CEEIA, Grupo Areia, Arena eventos, IMEX, Miracel,  Refriango, Zona Económica Especial (ZEE), Fergelia, Anglobal e instituições públicas, como a Agência de Investimento Privado e Promoção das Exportações (Aipex), Sodiam EP e Sociedade de Catoca.
O ministro da Comunicação Social, João Melo, garantiu abertura “total” da imprensa na divulgação do evento, apesar das dificuldades financeiras que os órgãos continuam a enfrentar como resultado da crise financeira que o país atravessa desde 2014. 
Na óptica do ministro, a promoção das exportações angolanas, no quadro da diplomacia económica definida pelo Presidente de Angola, João Lourenço, é “imperiosa” e espera-se que “os empresários nacionais venham captar recursos para aumentar a produção”.
O embaixador do Egipto em Angola, Khaled Hassen, que também esteve presente no encontro, manifestou-se satisfeito com o número de empresas que confirmaram a participação no evento.
Khaled Hassen disse que o seu país quer atrair investimento de países africanos, principalmente de Angola que “têm relações estratégicas”. “ Queremos a criação de joint venture entre as empresas angolanas e egípcias e aumentar as relações comerciais e de investimento que são quase nulas,” declarou.