Economia

Pescas analisa inclusão do pescado na merenda escolar

A estratégia de inclusão do pescado na merenda escolar e o limite de embarcações para pesca artesanal por províncias são dois temas que dominam hoje os trabalhos do II Conselho Técnico- Científico do sector das Pescas, aberto nesta terça-feira, pela titular do sector, Antonieta Baptista.

A ideia é que o peixe seja fornecido às crianças nas suas diversas formas de conservação, nomeadamente fresco, seco (meia cura) ou fumado, de modo a facilitar o seu consumo nas zonas mais recônditas do país.

Neste primeiro dia, que antecede o Conselho de Gestão Integrado dos Recursos Aquáticos, a realizar-se nesta quarta-feira, 4, os participantes vão abordar ainda o grau de cumprimento das medidas de gestão da pesca e aquicultura em 2019, propostas de medidas de gestão da pesca marinha, continental e aquicultura para 2020, o diagnóstico das condições higio-sanitárias nas empresas com linhas de processamento, congelação, salga e seca, dentre outros temas.

Falando na abertura do conselho, a ministra das Pescas e do Mar, Antonieta Baptista, realçou a importância do factor humano, como aquele que torna possível, com disciplina e dedicação, a realização de todos os demais processos.

“As pessoas são de extrema importância para o sucesso de uma organização, porque são elas que monitorizam e comandam todos processos”, declarou a governante.

Antonieta Baptista explicou que o conselho técnico-científico é um órgão colegial, de carácter consultivo, cuja missão liga-se ao plano de ordenamento dos recursos de abrangência marítima ou fluvial.

Está em curso um plano de redução da quota que visa evitar a extinção das espécies marinhas e travar o aumento do desemprego entre os operadores, segundo fonte do ministério. O Ministério das Pescas e do Mar prevê que sejam capturadas este ano, 2019, 150 mil toneladas de sardinela e 80 mil de carapau, sendo 50 mil para o carapau do Cunene e 30 mil para o carapau do Cabo.

O sector registou 12 projectos para o desenvolvimento da maricultura (cultivo de organismos marinhos em tanques, lagoas e pistas com água do mar), prevendo uma produção de 40 mil toneladas por ano a partir de 2022.