Política

Destacada importância dos especialistas em Guerra Psicológica

A permanente preparação dos especialistas do Órgão de Guerra Psicológica do Estado Maior General (EMG) para a gestão das situações de adversidades psicológicas foi defendida ontem, na cidade do Huambo, pelo chefe de direcção principal de Operações das Forças Armadas Angolanas (FAA), general Paulo Sousa Alves dos Santos.

Discursando no acto de abertura da II reunião metodológica do Órgão de Guerra Psicológica, destacou que a preparação destes especialistas permite um maior e melhor combate aos "boatos, calunias ou incentivo a fricções físicas ou psicológicas, que têm por finalidade criar o medo, fomentar a descrença ou mesmo tensões internas".

Depois de realçar a importância do trabalho da guerra psicológica, o general lembrou que a tarefa destes não deve revestir-se simplesmente aos aspectos pedagógicos, mas em acções que permitam obter resultados nos níveis estratégicos, operacional e táctico.

Paulo Sousa Alves dos Santos disse que, atentas aos desafios actuais, as FAA apostaram na formação e capacitação dos quadros para que possam dominar as complexas tecnologias usadas na guerra moderna quer para influenciar como para enfraquecer moral e psicologicamente neste tipo de situações.

“A guerra psicológica tem a capacidade de atrair consigo não apenas os alvos em vista, mas também, e sobretudo, as massas. A sua dinâmica e abrangência requer domínio das técnicas por parte de quem lida com ela, com vista ajudar no controlo dos mecanismos de acção e na contenção dos seus efeitos”, disse.

Notícia em desenvolvimento...