Política

ONU defende liderança dos jovens

O coordenador residente das Nações Unidas em Angola e representante residente do PNUD, Paolo Balladelli, defendeu ontem, em Luanda, a participação dos jovens na construção da sua liderança, para assegurar a construção da paz e encaminhar soluções para os conflitos.

Ao intervir na Conferência nacional sobre promoção da cultura de paz, que decorreu no Palácio da Justiça, Paolo Balladelli disse que os jovens hoje têm que confrontar-se com os enormes desafios  pela globalização, as novas tecnologias, a deslocação e a migração, a diminuição dos espaços cívicos, as mudanças dos mercados laborais e o impacto da mudança climática.
“Uma quinta parte dos jovens no mundo hoje está desempregada. Em Angola, 31 por cento dos jovens que não são escolarizados entre os 20 e 24 anos não tem trabalho”, frisou, adiantando ainda que um em cada quatro é vítima de violência.
Apesar da exclusão que muitas vezes sofrem, salientou, os jovens são uma fonte permanente de inovação, ideias e soluções. “Eles têm a energia necessária para materializar as mudanças para melhorar a tecnologia e construir sociedades inclusivas e justas”, frisou.
No seu entender, empoderando os jovens e materializando o seu potencial, isso vai permitir a criação de um mundo mais pacífico, sustentável e próspero para todos e atingir as metas da Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável.
Paolo Balladeli lembrou a nova estratégia para jovens lançada em Setembro, pelo secretário-geral das Nações Unidas, baseada em cinco eixos, a saber: Engajamento, participação e advocacia; Acesso de qualidade dos jovens à educação, saúde, habitação e outros serviços sociais; Enquadramento económico através de trabalho decente;  Jovens e direitos humanos e Construção da paz e da resiliência.
Com o tema “Paz, unidade e diálogo: prioridades para a juventude angolana”, a conferência teve a partipação de entidades governamentais e da sociedade civil.