Mundo

Combatentes do grupo mortos na Nigéria

O Exército do Chade anunciou em comunicado ter abatido 207 guerrilheiros do Boko Haram em confrontos próximos da cidade nigeriana de Garambu, na fronteira com os Camarões, mas que sofreu uma baixa e nove feridos.

O documento refere que militares do Chade apreenderam grandes quantidades de pequenas armas, munições e dois caminhões. Dois ataques a estações de autocarros no nordeste da Nigéria, a cinco semanas das eleições gerais de 28 de Março neste país, causaram 27 mortes. No vizinho Níger, uma mina terrestre explodiu em Diffa, matando dois soldados.
Em Kano, os ataques foram perpetrados por dois homens que saíram de um autocarro, disse o porta-voz da Polícia da cidade. “Dez pessoas morreram e várias ficaram feridas na explosão”, declarou Musa Majia.
Horas antes, em Potiskum, capital económica do Estado de Yobe, uma bomba atingiu um autocarro na estação de Tashar Dan-Borno, periferia da cidade. Potiskum, cerca de 280 quilómetros a leste de Kano, já foram alvo no domingo de um atentado suicida cometido por uma criança de sete anos.
As equipas de socorro enviadas para o local afirmaram que havia 12 pessoas no autocarro que as devia transportar para Kano e que todas morreram.
O responsável do sindicato dos motoristas e um dos condutores do autocarro disseram que a explosão foi provocada por um homem que tinha atirado um saco de viagem para a bagageira da viatura.
O Presidente da Nigéria, Goodluck Jonathan, disse que o Exército está a vencer o Boko Haram e que o tempo de luto pelas vítimas de ataques terroristas “em breve faz parte do passado, pois a maré está a virar-se contra o Boko Haram”.
Abuja anunciou ter reconquistado duas cidades estratégicas, Monguno, ocupada pelo Boko Haram em 25 de Janeiro, e Baga, nas margens do lago Chade, dominada desde o dia a 3 do mesmo mês. Também anunciou que as tropas do Chade tomaram Gamboru e Dikwa, perto da fronteira com Camarões.
Apesar das vitórias, o nordeste da Nigéria continua a registar ataques mortais.
O comunicado da Presidência foi divulgado horas depois dos dois atentados que causaram 27 mortes e do sequestro de uma missionária norte-americana, no centro da Nigéria. A rede social Twitter suspendeu uma conta atribuída ao Boko Haram, noticiou a France Press.
A conta activa desde o dia 8 tinha cerda de cinco mil seguidores. Havia vinte tuítes escritos em árabe e inglês e uma mensagem em francês.
O grupo armado lançou no dia 17 um vídeo no qual o seu líder, Abubakar Shekau, promete impedir a realização das presidenciais e legislativas de 28 de Março na Nigéria.
A conta no Twitter simbolizava um ponto de viragem na comunicação do Boko Haram e uma ruptura com os vídeos de baixa qualidade distribuídos à imprensa. Observadores da conta atribuída ao Boko Haram referem que a maioria dos retuítes “era de simpatizantes conhecidos do Estado Islâmico”.
As atrocidades do grupo e a sua expansão geográfica provocaram um adiamento das eleições gerais inicialmente marcadas para Fevereiro.
Nigéria, Níger, Chade, Camarões e Benim mobilizaram  8.700 homens para uma força multinacional anti-Boko Haram, que deve ser aprovada pelo Conselho de Segurança da ONU.
A União Africana autorizou no mês passado a criação da força regional e pressiona por um mandato do Conselho de Segurança para a operação.