Mundo / Estados Unidos

Marinha dos EUA termina buscas de marinheiros do USS Fitzgerald

As buscas dos sete elementos da Marinha dos EUA que desapareceram após o embate do navio militar com um cargueiro no mar próximo do Japão foram dadas por encerradas ao serem encontrados ontem vários corpos nos compartimentos inundados do navio.

Os mergulhadores da Marinha encontraram “vários corpos” no USS Fitzgerald, um dia depois da embarcação ter colidido com um navio quatro vezes maior, disse o vice-almirante Joseph Aucoin, comandante da 7.ª frota da Marinha, durante uma conferência de imprensa. O oficial evitou entrar em pormenores sobre quantos corpos foram recuperados, já que faltava ainda avisar os parentes mais próximos.
Aucoin disse que grande parte da tripulação de cerca de 300 pessoas estava a dormir quando a colisão aconteceu, na madrugada de sábado. O acidente danificou gravemente a sala das máquinas e duas áreas de alojamento, para 116 membros da tripulação. A embarcação voltou à base da 7.ª frota da Marinha, em Yokosuka, no Japão, na noite de sábado, com a ajuda de rebocadores.
As vítimas podem ter sido mortas pelo impacto da colisão ou podem ter se afogado na inundação, disse o porta-voz da Marinha, tenente Paul Newell.
Aucoin descreveu os danos e inundações como “extensivos”, incluindo uma grande perfuração sob a linha de água do navio, e disse que a tripulação teve que lutar para manter a embarcação a flutuar. “O dano foi significativo. Esta não foi uma pequena colisão”, disse.
“Você não pode ver a maior parte do dano - que está principalmente debaixo da linha d'água, e é um grande corte perto da quilha do navio”, acrescentou o oficial, antes de referir que o “fluxo de água foi intenso e não houve muito tempo para a tripulação que estava nessas áreas que foram abertas ao mar”.
O capitão do navio, comandante Bryce Benson, foi transportado de helicóptero para o Hospital Naval dos EUA em Yokosuka com um ferimento na cabeça. Dois outros membros da tripulação sofreram cortes e contusões e também foram transferidos. Aucoin disse que a cabine de Benson foi destruída. “Ele tem sorte de estar vivo”, disse.
Aucoin não falou sobre a causa da colisão e disse que iria solicitar uma investigação aprofundada. “Estava escuro, mas as condições de visibilidade eram boas no momento da colisão, ocorrida numa área particularmente intensa pelo tráfego marítimo”.
O dano à embarcação militar sugere que o navio cargueiro, ACX Crystal, pode ter batido a uma velocidade significativa, o que levanta dúvidas sobre a existência de uma comunicação adequada entre os dois navios, em especial tendo em vista quão movimentadas são as águas na região.