Mundo

Suu Kyi adverte para risco de “repetição” da crise

A líder de facto do Governo de Myanmar (antiga Birmânia), Aung San Suu Kyi, advertiu, quinta-feira, diante do Tribunal Internacional de Justiça para o risco de uma “repetição” da crise entre o Exército birmanês e a minoria muçulmana rohingya, noticiou a Lusa.

A Nobel da Paz (1991) foi ouvida no Tribunal Internacional de Justiça (TIJ), em Haia (Holanda), no âmbito de uma acção judicial avançada pela Gâmbia em nome da Organização de Cooperação Islâmica (organização na qual é membro), que representa os rohingyas, minoria que iniciou um êxodo para o 'vizinho' Bangladesh no Verão de 2017 na sequência de uma campanha de repressão do Exército de Myanmar.

Ao terceiro dia de julgamento, Aung San Suu Kyi declarou que as acusações de “genocídio” apresentadas pela Gâmbia podem “minar a reconciliação” das comunidades na Birmânia, frisando “ser importante evitar qualquer repetição do conflito armado interno de 2016 e 2017”.