Opinião / Artigos

Desleixos perigosos

Candeeiros públicos caídos por terra são coisa vulgar na província de Luanda, com todos os perigos que daí advêm, mas há locais, onde são maiores, como no troço conhecido por “Grafanil bar”, próximo a Polícia Militar, na Estrada de Catete.

Candeeiros acesos de dia e apagados de noite também se tornaram algo corriqueiro, a comprovar, se fosse preciso, o abandono a que está votada a província, na qual se situa a capital do país, por parte de responsáveis de diversos sectores, que primam por o não ser, num verdadeiro desafio à impunidade.

No troço da Estrada de Catete a que nos referimos, a par dos candeeiros derrubados, há a escuridão da noite a agravar a situação caótica do trânsito automóvel numa das vias mais movimentadas da província. Nem isso incomoda quem tem o dever de zelar pela segurança dos que são obrigados a circular por ela, grande parte mais do que uma vez por dia.
A culpa desta anormalidade não pode, uma vez mais, morrer solteira. Há quem seja pago para evitar anomalias que põe em perigo vidas humanas, para não falar das despesas em hospitais, farmácias, oficinas. Não nos surpreendia - em Luanda já nada espanta - que o arrastamento da situação, como de tantas outras em toda a província, se deva ao banalizado “jogo do empurra”. Que haja alguém com bom senso que resolva o problema.