Opinião / Cartas dos Leitores

Roupa suja

Escrevo para o Jornal de Angola para abordar um bocado o que se está a passar no seio (provavelmente fora) do maior partido da oposição em Angola, numa altura em que se está a lavar muita roupa suja dos nomes que têm sido apresentados como potenciais sucessores de Samakuva.

Este último, ao que tudo indica, parece ter feito bem em desistir de concorrer à sua própria sucessão, atendendo ao tempo e, eventualmente, algum desgaste à frente dos destinos do Galo Negro. Julgo que o presidente cessante, Isaías Samakuva, desempenhou um grande papel na condução da UNITA pós-Savimbi e gostaria de abrir aqui um parêntesis para render o meu modesto tributo ao actual líder da UNITA. Isaías Samakuva deixa um partido forte, unido e com pés para andar. Apenas quem viu o estado em que o partido passou, primeiro com o chamado CRU (lembram-se do famigerado comité renovador da UNITA) e depois com a chamada UNITA Renovada e, como que a “machadada final”, a morte do Dr. Jonas Savimbi. A UNITA estava quase feita uma manta de retalhos há cerca de 16 anos e Isaías Samakuva conseguiu congregar todos em torno do ideal que sempre guiou aquele partido. Embora nem sempre compreendido pelos seus pares, Isaías Samakuva foi um bom presidente do partido, independentemente de não se lhe conhecer uma oposição “agressiva” ao MPLA. Ainda assim, soube fazer o seu trabalho na defesa dos interesses da UNITA.
Quanto aos candidatos ou potenciais sucessores de Samakuva, começa a tornar-se lamentável a forma como surgem informações pouco abonatórias sobre a pessoa deste e daquele candidato. Lava-se muita roupa suja que, em condições normais, devia ser abafada internamente. Algumas figuras podem estar a ser “usadas” para denegrir figuras que já formalizaram as suas candidaturas.
Não vou citar nomes das pessoas visadas, mas insisto que está a ficar feia a preparação do congresso da UNITA, pela forma como alguns candidatos começam a ficar prejudicados mesmo antes de o pleito começar. Espero que a UNITA promova uma espécie de acordo de cavalheiros entre os candidatos, para evitar que se continue a lavar roupa suja fora das hostes do partido. Acho que as figuras visadas não merecem viver isso numa altura em que decidiram concorrer às presidenciais na UNITA.
ANTÓNIO SILVA | Rangel


Cobranças nas escolas
Muitas escolas continuaram a realizar cobranças mesmo depois da circular da Direcção Provincial da Educação de Luanda que proibia o referido exercício.
Não consigo entender como é que algumas escolas, nesta fase de provas do professor, que antecedem as finais, estejam a realizar cobranças das folhas de prova.
Acho que a inspecção na Educação devia fazer o seu papel e punir ou recomendar a quem de direito punição para as entidades que, à frente das escolas que efectuam cobranças, insistem em fazê-las.
INDIRA DE MATOS | Sambizanga