Política

Chefe de Estado condecora figuras da sociedade civil

Figuras como Rafael Marques, Sousa Jamba, Carlos Cunha, o político e matemático Mfulumpinga Landu Victor (a título póstumo), Eduardo Paim e Lourdes Van-Dúnem (a título póstumo) estão entre as 85 personalidades de diversos sectores condecoradas ontem pelo Presidente da República, João Lourenço, no quadro das celebrações do 44º aniversário da Independência Nacional, que se assinala a 11 de Novembro.

Na cerimónia de outorga, marcada por um grande simbolismo, no Salão Nobre do Palácio Presidencial, foi igualmente homenageada a bióloga Adjany da Silva Freitas Costa, vencedora este ano do Prémio Terra da ONU. 

Após a leitura das ordens de condecoração, pelo ministro e secretário-geral do Presidente da República, Félix de Jesus Cala, o Chefe de Estado foi colocando as medalhas e entregando os diplomas aos condecorados, a começar pelos nacionalistas Augusto Loth (a título póstumo) e a Noé da Silva Saúde, este último o preso político mais jovem do campo de concentração do Tarrafal (Cabo Verde), onde permaneceu 11 anos.
Seguiram-se as figuras condecoradas com a Ordem de Mérito Civil, outorgada pelos feitos e actos notáveis e merecedores do reconhecimento especial da sociedade angolana e das suas instituições e Medalha de Bravura e de Mérito Cívico, outorgada pelos actos de bravura e comportamento exemplar reconhecidos pela sociedade angolana.

Figuras destacadas
Ao discursar na cerimónia, o Presidente da República começou por lembrar que a condecoração, que se tornou hábito, nos últimos anos, por ocasião das comemorações do 11 de Novembro, Dia da Independência Nacional, é outorgada a cidadãos nacionais e estrangeiros, que ao longo das suas vidas se destacaram dos demais em algum domínio relevante da vida nacional, contribuindo para o engrandecimento do país.
Referiu que o país está a mudar, para melhor, em muitos domínios fundamentais, como no aspecto da defesa e respeito dos direitos fundamentais, combate ao nepotismo, à impunidade e a luta contra a corrupção.
A propósito do combate à corrupção, o Chefe de Estado reconheceu que a garantia da vitória nesse capítulo reside na unidade de acção entre as diferentes forças vivas da Nação. “Nenhuma instituição é suficientemente forte para, sozinha, vencer esta batalha, nem o Executivo, nem os órgãos de investigação criminal, nem o Ministério Público, nem os órgãos de Justiça, se não tiverem o concurso da sociedade civil”, sublinhou.
“Exorto-vos a juntarmos forças, porque somos poucos na luta contra a corrupção”, disse João Lourenço, dirigindo-se aos condecorados.

Reconhecimento a Rafael Marques
O Chefe de Estado destacou a figura do activista cívico Rafael Marques, pelo seu contributo na luta contra a corrupção. Sem mencionar o nome do activista, que já ganhou vários prémios a nível internacional pelo seu trabalho de denúncia de actos de corrupção e violação dos direitos humanos, João Lourenço disse que “este ano, decidimos reconhecer os feitos de alguém que, desde muito cedo, teve a coragem de se bater contra a corrupção crescente que acabou por se enraizar na nossa sociedade”.
O Presidente da República reconheceu que a corrupção se tornou crescente “porque a superestrutura dava um mau exemplo e, por isso, não tinha moral para combater o monstro que ela própria criou e do qual se alimentava”.
“Trata-se de um activista cívico que, muito cedo, abraçou a bandeira da luta contra o saque desenfreado do erário, contra o nepotismo e a corrupção”, salientou, acrescentando que o reconhecimento teria leituras e reacções díspares, “a julgar pelos estereótipos criados ao longo do tempo, quando a corrupção era encarada como algo normal em função de quem a praticava”.
“Conforta-nos saber que encontrará da grande maioria da opinião pública nacional e internacional a maior e melhor aceitação pela justiça dos princípios que nortearam tal decisão”, realçou o Presidente da República, que felicitou os condecorados por este reconhecimento do Estado angolano.

Frente da produção
Ao reconhecer que durante os anos de conflito armado, as condecorações recaíam, sobretudo, a favor dos políticos e militares que se distinguiam nas frentes de batalha, João Lourenço sublinhou a nova conjuntura que o país vive, marcada por novas frentes, visando o aumento da produção e o desenvolvimento económico e social do país.
Razão pela qual decidiu-se homenagear, além dos feitos realizados nos domínios da cultura e das artes, dos desportos e da ciência, também um grupo de cidadãos que, cada um à sua dimensão, faz a diferença e constitui um exemplo a seguir para aqueles que decidiram enveredar para o empreendedorismo e para o mundo dos negócios e contribuem no aumento da produção nacional de bens e serviços e aumento da oferta de postos de trabalho.
“A frente de luta hoje é a frente da produção, da economia, a frente do desenvolvimento económico e social. São os que se destacam nesta nova frente de luta, na iniciativa privada, criando micro, pequenas e médias empresas, que devemos acarinhar, apoiar, promover e enaltecer”, sublinhou.
João Lourenço considerou “bravos” os que, ao invés de se lamentarem das dificuldades existentes, fazem delas a oportunidade para vencer na vida. “Arregaçam as mangas e vão à luta pelo pão para as suas famílias, sem dependerem necessariamente de um patrão”, realçou.

Depoimentos de figuras homenageadas

Rafael Marques, activista
“É uma cerimónia que muito nos honra e que nos estimula a continuar a lutar por um país melhor. Sinto-me como cidadão que continuará a fazer o seu trabalho pelo bem deste país. Penso que este reconhecimento do Presidente da República é mais um estímulo para que continuemos a lutar pelo bem e pelos angolanos e por um país melhor. É reconfortante ter passado de “vende pátria” a patriota, muito por conta deste reconhecimento do Presidente da República. Continuaremos com o mesmo empenho e com maior entusiasmo, porque a situação económica é crítica e precisamos moralizar os servidores públicos para que façam o seu trabalho, para que a população tenha uma vida melhor e possamos sair desta crise económica com o empenho de todos e com maior probidade por parte dos gestores públicos.”

Sousa Jamba, escritor
“Até agora não estou a acreditar, porque coisas deste género não acontecem para pessoas como eu. Mas tenho que acreditar. Agradecer ao PR porque isto demonstra um espírito de inclusão. Embora filho da diáspora angolana, sempre me senti ligado ao meu país. Ultimamente vivo em Angola, na Aldeia Camela Amões (Planalto Central). O meu trabalho como jornalista e escritor está profundamente ligado a este país. É reconfortante ver agora esta ligação reconhecida pelo Estado. É um imenso orgulho para mim e também para a minha família. O meu irmão Jaka Jamba teve a mesma honra. A minha mãe, que infelizmente não está cá para ver isto, foi uma grande inspiração, estimular neste caminho de contar a nossa História, estimular o debate no país e contribuir para o desenvolvimento da nossa Nação.”

Vindevala Sachiquepa, empreendedor
“É maravilhoso o que está a acontecer. Daqui para frente vou fazer melhor daquilo que já tenho feito dentro das comunidades, porque este bem veio porque estou a conviver com o povo e fazer boa gestão daquilo que temos concebido dentro do Governo. Nunca pensei ser homenageado. Não sei o que Deus está a fazer na vida dos nossos governantes, principalmente a inteligência do nosso Presidente da República, que está a reconhecer as pessoas provenientes dos confins da vida precária”.

Eduardo Paim, músico
“Sinto-me feliz. Acredito que esta condecoração vai encher de orgulho e de satisfação as pessoas que, ao longo destas quatro décadas de trabalho, me têm incentivado. Quero crer que é algo que veio no tempo oportuno, num tempo em que os ideais são outras. Tenho apenas a agradecer.”

José Diogo Ventura, nacionalista
“Receber o reconhecimento dos nossos actos aos 90 anos é uma grande satisfação. É sinal de que o trabalho que foi feito pela nossa juventude valeu a pena para todo o país, e o Estado hoje reconhece que foi um trabalho útil para as gerações de hoje e para as que virão. É uma satisfação para mim, para a minha família e para todos nós.
Mensagem para os jovens desta geração: Tudo se consegue com trabalho árduo e não com imediatismo. Não podemos esperar semear hoje e colher amanhã. O que semeamos antes estamos a colher hoje. Os jovens têm que trabalhar. Se antigamente tivemos que sacrificar a vida e a nossa liberdade, hoje os jovens devem defender a pátria, com trabalho, com honestidade.”

Domingas Cassanga, empresária
“Foi uma enorme surpresa. Quando ligaram para mim nem queria acreditar. Sinto-me muito honrada. Daqui para frente vou continuar a trabalhar. Tem se dito que quando tomamos bem conta de crianças, o futuro está garantido. É nosso dever fazer este trabalho”.

Joana de Brito, atleta
“O reconhecimento dá-me mais motivação para continuar a treinar, dar o o meu melhor nos treinos, nas competições e ser campeã do mundo. Nada é impossível , é só ir a luta que se consegue conquistar algo. Quando estás a fazer alguma coisa, continue, não desista, porque se desistires não ganhas nada.”

Moisés Hiemba Camota (treinador)
“Foi uma surpresa para mim. Não é a primeira vez que somos campeões, somos tricampeões africanos por equipa e individual e pela primeira vez campeã feminina. Este reconhecimento traz muitas motivações. Foi muito bom. Na vela, talvez, somos os primeiros condecorados. Isso encoraja-nos a continuar a trabalhar. Isso prova que estamos a ser vistos”.

Condecorações a membros da sociedade civil

Ordem de Independência,

(Outorgada pela inegável contribuição à luta pela Independência e à construção do Estado angolano, através de uma conduta irrepreensível e reconhecida por todos os angolanos)
Augusto Loth ( a título póstumo), nacionalista, humanista e preso político.
Noé da Silva Saúde, nacionalista, foi o preso político mais jovem do campo de concentração do Tarrafal (Cabo Verde)

Ordem de Mérito Civil
(Outorgada pelos feitos e actos notáveis e merecedores do reconhecimento especial da sociedade angolana e das suas instituições)
Adjany da Silva Freitas Costa, bióloga, ganhou vários prémios, com destaque para o de jovens campeões da Terra da ONU, e de exploradora do ano Rolex da National Geographic 2019.
Victor Manuel Alves, destacado empresário do ramo agro-industrial, que gerou mais de 1.500 empregos.
Alfeo Vinevala Sachiquepa Francisco, empreendedor que se destaca na produção agrícola, tem gerado mais de mil postos de trabalho.
Paula Regina Simões de Oliveira é mentora do projecto de estratégia sobre prevenção de mordedura de serpentes.
Rafael Marques de Morais, activista cívico que se destaca na luta contra a corrupção.
José Carlos Manuel de Oliveira Cunha, destacado empresário do ramo imobiliário, de energia , distribuição alimentar e do ramo agrícola, que exporta café e frutas tropicais.
Irene Maria Rodrigues Guerra Marques, escritora e académica, pela relevante contribuição para a melhoria do ensino e pesquisa cientifica, sobretudo na literatura africana de expressão portuguesa.
João Manuel Gomes Mateus de Macedo, agricultor, destaca-se pela considerável produção e exportação de produtos agrícolas
Maria de Lourdes Pereira Van-Dúnem ( a título póstumo), cantora, com intervenção na luta de libertação nacional, contribuiu significativamente para a internacionalização da música angolana.
António Firmino Mendes Ribeiro, artista plástico, cuja obra no tempo colonial foi um grito de liberdade.
Sousa Jamba, destacado escritor de referência internacional.
Eduardo Paim Fernandes da Silva, destacado músico e precursor do estilo musical kizomba.
Rui Manuel dos Santos, pioneiro do empresariado angolano, criou a Protécnica e depois a Sistec, líder no mercado de Informática e telecomunicações em Angola.

Medalha de Bravura e do Mérito Cívico e Social
(Outorgada pelos seus actos de bravura e comportamento exemplar reconhecidos pela sociedade angolana).
Maria Clara Monteiro dos Santos, cantora, artista plástica que dinamizou a brigada dos jovens artistas nos finais dos anos 1990.
Sebastião Simba Miguel, destacado artesão.
Paolo Parimbelli, médico italiano que revolucionou a cirurgia de fístula obstétrica.
Claúdio Buta Francisco, jovem empreendedor, tendo criado mais de 150 postos de trabalho.
Cristovão Pedro Warschke, jovem empreendedor, concebeu um projecto que visa electrificar aldeias e comunidades no interior do país, com uma solução hidráulica inovadora.
Domingos Vieira Vunge, jovem empreendedor, criou a revista de negócios Estratégia, seguiram-se o jornal Expansão, a revista Lux, o jornal o Mercado, a revista Rumo e o jornal Vanguarda.
Erickson Mvezi (Tupuka), jovem empreendedor, precursor dos serviços de entrega Tupuka.
Deolinda Bibiana de Almeida e Irene Webba, empreendoras do ramo da reciclagem de plástico retirado do lixo, transformando as garrafas em vassouras, o que ajudou a melhorar a vida de mais de 500 famílias
Domingas Cassanga, destacada agricultora, que apoia o Lar da terceira idade na província do Cuando Cubango.
Verónica Segunda, empreendora agrícola, e com grande intervenção social.
Hermenegilda Chipupa, empreendedora agrícola e do ramo agro-industrial, que se destaca pela transformação dos produtos do campo em conserva.
Selecção Nacional de Andebol sénior masculina, conquistou a medalha de ouro nos Jogos aAricanos em Rabat, Marrocos:
- Adelino Anderson Pestana
- Adilson Bruno Celestino Maneco
- Claúdio André Patrício Chicola
- Claúdio Carneiro Lopes
- Custódio João Gouveia
- Declerck Mbala Sibo
- Elias António
- Elsimar Paulo dos Santos Pedro
- Feliciano Nunes Couveiro
- Gabriel Massuca Teka
- Jeovany de Nelumba Muachissengue
- Manuel António Domingos Nascimento
- Mário de Jesus Ntida Tati
- Otoniel Anderson Cachacha Pascoal
- Agnelo Quitongo
- Romé António Diogo Hebo
- Filipe Cruz (treinador)
- José Nóbrega (treinador adjunto)
Selecção Sénior Feminina de Andebol , conquistou a medalha de ouro nos jogos africanos de andebol, em Rabat (Marrocos):
- Albertina da Cruz Cassoma
- Azinaide Danila José Carlos
- Helena Gilda Simão Paulo
- Iracelma Patrícia da Silva
- Isabel Evelize Wangimba Guialo
- Janete Vieira dos Santos
- Juliana José Machado
- Liliana da Silva Venâncio
- Magda Alfredo Cazanga
- Natália Maria Bernardo
- Ruth Francisco João
- Helena de Sousa
- Claudete José
- Teresa Patrícia Lopes Felipe de Almeida
- Vilma Chissola Ebo da Silva
- Wuta Waco Bige Dombaxe
- Morten Souback (treinador)
- Danilo Gagliardi Júnior (treinador adjunto)
Selecção Masculina de Pesca Desportiva, conquistou a medalha de bronze no Campeonato do Mundo de Pesca Desportiva em Durban (África do Sul): - Airton Renato Neto Moreira
- Carlos Manuel Amado de Figueiredo Louro
- Júlio Amílcar dos Santos Pereira da Rocha
- Luís Van-Dúnem Mateus
- Marcos Alexandre de Almeida Queiroz
- Marcos Roberto da Silva Couto
- Horácio Pina
- Rogério Moniz da Silva
Atletas da modalidade de vela Optimist (Juniores), conquistaram a medalha de ouro no Campeonato Africano em Vela Optimist (Seychelles):
- Aline Justina Graciano Simão
- Ronacio Paulo
Selecção Nacional de Vela Optimist Júnior, conquistou a medalha de ouro no Campeonato Africano em Vela Optimist:
- Armindo Moutinho de Sousa
- Braúlio Jorge Bernardo Gumba
- Joana Cristina Chinhama de Brito
- Osvaldo Dinis da Gama
- Victória Culipossa Rodrigues Camota
- Moisés Hiemba Camota (treinador)
Xadrez
Luzia Fernando Pires, consagrou-se campeã africana júnior em Accra, Ghana
Personalidades ausentes dos actos solenes de condecorações de 2018
- José Diogo Ventura, Ordem de Independência,
- Luzia Paim (a título póstumo), Ordem do Mérito Militar de Segundo Grau
- Mfulumpinga Landu Victor (a título póstumo), Ordem de Mérito Civil
- Aristides Capepe “Kima Kienda” (a título póstumo), Medalha do Mérito Militar de Primeira Classe.

Tomada de Posse

Novos governantes iniciam funções

O Presidente da República, João Lourenço, deu posse, ontem, em Luanda, ao secretário de Estado e três vice-governadores provinciais, recentemente nomeados.

No Salão Nobre do Palácio Presidencial, Carlos Antão Fernandes Borges tomou posse como secretário de Estado da Aviação Civil, Marítimo e Portuário e Afonso de Antas Miguel como vice-governador da província do Cuando Cubango para os Serviços Técnicos e Infra-Estruturas. Foram igualmente empossadas Carla Maria Domingas Cativa, como vice-governadora do Cuando Cubango para o Sector Político, Social e Económico, e Fernanda Deolinda Sumbo Guerra, vice-governadora do Zaire para o sector Político, Social e Económico.
Em declarações à imprensa, o novo secretário de Estado afirmou que o principal objectivo é a aposta no desenvolvimento do sector no país.