Política

Departamento de informação Do MPLA nega Clivagens

O MPLA esclareceu ontem, em Luanda, que não corresponde à verdade que haja clivagens graves no seio do partido no poder em Angola, conforme circula nas redes sociais.

Uma nota de  esclarecimento do Departamento de Informação e Propaganda do Comité Central do MPLA refere que há indivíduos eivados de má-fé que estão a fazer circular, através das redes sociais e não só, uma onda de especulações, fazendo crer da existência de clivagens graves.
A nota acrescenta que isso não corresponde à verdade, porquanto o partido se mantém coeso e pronto para discutir, democraticamente, todos
os assuntos da actualidade política de Angola.
Sublinha que nunca a Direcção do MPLA se furtará à reflexão, clara e objectiva, sobre o processo de transição político-partidária, tal como o fez a respeito do aparelho do Estado, aquando da realização das últimas Eleições Gerais, usando os órgãos vocacionados à luz dos seus Estatutos e de outros documentos fundamentais.
Na segunda reunião ordinária, de 12 de Março de 2018, o Bureau Político do MPLA analisou assuntos relativos ao país e à vida interna do partido, donde sobressaem o Programa de Apoio à Produção Nacional, Promoção das Exportações e Substituição das Importações e, igualmente, o Relatório de Balanço sobre as Eleições Gerais de 2017.
Na mesma reunião, o Bureau Político  apreciou a versão final do Relatório de Balanço sobre as Eleições Gerais de 2017, tendo concluído que o resultado favorável se deveu à forte acção político-partidária empolgante, galvanizadora e determinante, desenvolvida pelo MPLA e pelo seu então candidato, João Lourenço.
Na mesma reunião foram ainda apreciadas as resoluções sobre a cessação do mandato de João Bernardo de Miranda, do cargo de primeiro-secretário do Comité Provincial do Bengo do MPLA, sobre a candidatura de Mara Baptista Quiosa, para o exercício da referida função e sobre a realização da Conferência Extraordinária do Partido nesta província.