Política

Finanças aposta na qualidade da despesa

A ministra das Finanças, Vera Daves, reconheceu que as verbas no Orçamento Geral do Estado aprovado ontem “não são os recursos que se gostaria de ter”, mas garantiu que o Executivo está a insistir na qualidade das despesas.

“Temos estado a insistir na qualidade da despesa porque achamos que se todos nós formos rigorosos, íntegros, honestos, disciplinados,identificarmos bem os projectos , termos o hábito de fazer concursos públicos e dispensar os intermediários, irmos directo à fonte de fornecedores de bens e serviços e abandonarmos as práticas menos boas, esses recursos que parecem poucos serão muitos para as necessidades que temos que satisfazer”, afirmou.
A ministra das Finanças reconhece que é responsabilidade do Executivo, a todos os níveis, dar o melhor de si para que os cidadãos sintam, no seu dia-a-dia, os efeitos positivos da execução do OGE.
Vera Daves considerou o OGE de 2020 o possível, tendo em conta as circunstâncias económicas e financeiras que o país vive.
A titular das Finanças garantiu que o Executivo vai continuar a priorizar o sector social, a criação de melhor ambiente de negócios para o sector privado. Falou também do “firme propósito de honrar os compromissos financeiros com os credores e progressivamente reduzir o stock da dívida pública”.
Questionada a comentar o voto contra da UNITA e da CASA-CE, a ministra das Finanças disse que, com estes votos, os deputados da oposição pretendem demonstrar que “não estão satisfeitos com determinadas políticas e formas de gerir que estão a ser levadas a cabo pelo Executivo”.
O que o Executivo tem de fazer, sublinhou, é desconstruir essa ideia da oposição e provar que não é bem assim. “É verdade que os recursos são poucos, mas que o Executivo é capaz de, com esses recursos, resolver, na medida do possível, ou ir resolvendo os problemas”, referiu.
“O que move o Executivo e os deputados da oposição é resolver os problemas e dar melhores condições de vida à população angolana, de modo que não precisamos estar divididos. Temos que concentrar as nossas energias para fazermos o melhor por esta população que estamos para servir”, sublinhou, garantindo que o Executivo vai demonstrar que “é sim possível, com este OGE, melhorar as condições de vida da população”.