Política

Tony Blair destaca nova imagem do país

O antigo Primeiro-Ministro britânico Tony Blair considerou, ontem, em Luanda, impressionante o facto de o Presidente João Lourenço "estar a tomar decisões necessárias para gerar mudanças".

Em declarações à imprensa, à saída de uma audiência que lhe foi concedida pelo Chefe de Estado, Tony Blair, que veio a Luanda em nome do Instituto para a Mudança Global, uma instituição sem fins lucrativos de que é patrono e director, destacou o facto de Angola ser hoje um actor "bastante importante no contexto africano".

Primeiro-Ministro entre 1997 e 2007, Tony Blair, que efectuou uma visita de algumas horas ao país, considerou ter sido atraído por Angola pela existência de um novo líder, portador de uma nova visão do país.
"Tivemos esse primeiro encontro com o Presidente da República, para falar dos passos importantes que estão a ser empreendidos em prol do crescimento económico", disse Tony Blair, acrescentando que pretendia "ouvir por si mesmo " sobre o que está a acontecer, em Angola, do ponto de vista de desenvolvimento.
O antigo Primeiro-Ministro britânico lembrou que o Instituto opera em vários países, principalmente naqueles em reformas e mudanças de paradigmas. "O Presidente é bastante ambicioso e, com isso, a comunidade internacional cria também bastante interesse em Angola", sublinhou.
O Instituto Tony Blair para Mudança Global tem projectos em 14 países africanos, para ajudá-los a tirar melhor partido da globalização. Através de programas de cooperação, o Instituto disponibiliza consultores para trabalhar com os governos, para ajudá-los a implementar as próprias visões para o desenvolvimento.
Uma das características do Instituto, lembrou, é co-operar com governos em processo de mudanças e reformas.
No caso específico de Angola, o Instituto Tony Blair quer cooperar em matéria de globalização e implementação de uma visão de desenvolvimento económico e social que respeite as próprias idiossincrasias e contextos.
Tony Blair lembrou que as mudanças criam sempre algumas dificuldades e resistência, numa clara alusão às reformas em curso no país.

Cimeira Reino Unido e África
Relativamente à Cimeira sobre Investimento Reino Unido e África, programada para 20 de Janeiro de 2020, Tony Blair declarou que o país é um parceiro importante para o continente africano, principalmente no que respeita ao investimento e à promoção de negócios.
Disse haver muitas em-presas britânicas interessadas em investir em África. “Esta Cimeira constitui uma oportunidade para o Reino Unido e África discutirem aspectos que tenham a ver com o comércio e investimento”, esclareceu Tony Blair, acrescen-
tando que "isto requer ultrapassar certas dificuldades e desafios, com o desenvolvimento de infra-estruturas como energia e água, bem como a criação de empregos".
Para Tony Blair, o Chefe de Estado angolano entende o caminho a seguir, realçando que o elemento mais importante a reter é que João Lourenço tem coragem suficiente para que tudo isso seja feito, mas realça que é preciso atrair investidores de outras partes do mundo. O Reino Unido, disse, faz parte desse grupo.
O Instituto Tony Blair é impulsionado por uma crença de que o único futuro que funciona é o baseado numa lógica de mente aberta e que a globalização é impulsionada principalmente pelas pessoas. Em face disso, o Instituto afasta as barreiras e cria soluções baseadas em evidências que garantam benefícios comuns para todos, combatendo o populismo autoritário e o extremismo religioso.