Sociedade

Acesso ao saneamento básico ainda é baixo

O acesso ao saneamento básico e higiénico em Angola ainda é baixo, sobretudo, nas zonas rurais, disse ontem o técnico da Direcção Nacional do Ambiente, Severino Fernandes.

A constatação foi feita durante um workshop comunitário promovido pela Direcção Nacional do Ambiente, no município de Icolo e Bengo, em Luanda, com vista a transmitir aos munícipes conhecimentos básicos sobre a preservação e protecção do ambiente.
O prelector, que falava sobre o tema “Saneamento Total liderado pela Comunidade, Um desafio que Funciona”, disse que o impacto de um sistema deficiente de saneamento e higiene, provoca o aumento da contaminação ambiental e, desta forma, o surgimento de surtos de cólera, febre-amarela e malária que resultam nos elevados índices de morbidade e mortalidade.
Alerta ser importante as comunidades optarem por práticas de saneamento criadas por elas, exercer um papel preventivo que permita o controlo dos vectores de transmissão de doenças, constituindo assim um instrumento fundamental de saúde pública.
Num outro painel, Karelia Costa fez uma abordagem sobre conceitos do ambiente e suas dimensões, bem como os problemas ambientais que surgem nas comunidades angolanas, concluindo que o desenvolvimento da educação ambiental permite a segurança da saúde pública e sustentabilidade à vida humana. Participaram do workshop, a administradora municipal-adjunta para a Área Técnica, Infra-Estrutura e Comunidades, Humberta Paixão, autoridades tradicionais, estudantes e funcionários da Administração Municipal, entre outras individualidades.