Sociedade

Assaltantes disparam contra estafeta

Um estafeta da empresa de construção civil Mota Engil foi baleado ontem, pelas 11h55, na perna direita, na Baixa de Luanda, por marginais, minutos depois de estacionar a viatura para se dirigir a uma unidade bancária.

O crime ocorreu na rua Rainha Njinga, a escassos metros das instalações da Edições Novembro. Flávio João, funcionário da Mota Engil, que se encontrava no interior da viatura, contou ao Jornal de Angola que dois dos quatro marginais desceram de duas motorizadas e dispararam contra o seu colega.
O jovem explicou, ainda, que o colega só foi alvejado por ter mostrado resistência logo que os marginais anunciaram, em voz alta, o assal-to. "Pediram-nos a pasta, mas o meu colega não quis entregar. Um dos marginal mostrou-se furioso e efectuou um disparo que atingiu na perna direita ", disse, para de seguida contar que só depois dos disparos o colega rendeu-se e acabou por ceder a pasta, que continha credenciais que seriam utilizados para o levantamento de dinheiro.
Flávio João, que saiu ileso do incidente, disse que na retirada e para evitar que fossem perseguidos, os marginais efectuaram mais três disparos para afugentar a população. Para acudir a situação, dois agentes da Polícia Nacional, que se encontravam nos  arredores, fizeram disparos contra os marginais que se colocaram em fuga.     
O funcionário da Mota Engil, alvejado na perna, foi socorrido pelo seu companheiro, que o encaminhou para uma clínica, onde recebe tratamento médico.
"Estávamos a ser perseguidos a partir da nova marginal, mas em nenhum momento pensamos que estavam atrás de nós", disse Flávio João. 
O Jornal de Angola contactou sem sucesso o piquete do posto policial da Ingombota para se inteirar da ocorrência.