Sociedade

Bíblia Sagrada em Umbundo já circula no país

A primeira versão da Bíblia Sagrada, traduzida de português para língua nacional Umbundu, foi apresentado no sábado, em Benguela, pelo bispo da Diocese local, Dom António Jaka.

A elaboração do livro sagrado, em língua nacional Umbundo, envolveu membros das arquidioceses do Bié, Huambo, Benguela, em que vários sacerdotes, teólogos, madres, estudantes do curso de Filosofia, leigos e bispos, deram o contributo em todos os aspectos técnicos, nomeadamente, na estrutura, terminologias, símbolos, tradução, entre outros.
A edição foi impressa pela Editora Paulus, numa primeira fase foram produzidos um total de 30 mil exemplares. Após o lançamento, seguiu-se a comercialização, ao preço único de 3.100 kwanzas, para permitir que os fiéis e demais interessados tenham acesso à obra.
O padre Bonifácio Chimboto, professor universitário e especialista em línguas na-cionais, explicou que a presente publicação abre as por-
tas à feitura da edição seguinte, trabalho que começa a ser desenvolvido com mais perfeição e rigor.
O prelado referiu, que a leitura da bíblia traduzida do português para umbundo, oferece melhor interpretação a todos quantos poderem ler esta versão da escritura sagrada.
O padre Feliciano Palanca que fez a apresentação da obra, sublinhou que toda a dimensão pastoral tem de ser formativa, a mesma está contida na Sagrada Escritura, que vai ajudar para que a acção pastoral seja coroada de êxitos. Segundo o sacerdote, a Bíblia superou todas as incertezas da vida e por esse facto, deve ser um lida, entendida e acompanhada por todos, de modo que encontrem o sentido real da vida que Deus pretende aos homens.
A mensagem bíblica, de acordo com o prelado, não é apenas feita para alguns, ela não se esgota na tradução, traz uma mensagem escrita que deve ser levada a todos os sectores e cantos do mundo.
Em seu entender, a Bíblia Sagrada é um documento que contém 73 livros, canonicamente aceites e anunciados, foram inspirados para uma melhor caminhada na evangelização da pessoa.
O bispo da Diocese de Benguela, Dom António Jaka, disse tratar-se de um acto que fica marcado na história da Igreja Católica durante longos anos, dado que o umbunbo é uma língua com mais influência a nível dos habitantes do país.
Apesar da pouca quantidade de livros, o mesmo representa um passo grande para a acção de evangelização, porque vai ajudar os fiéis a estarem sempre firmes na caminhada da fé, actualizados com os conhecimentos da Bíblia Sagrada, consi-
derado o livro da vida.
De acordo com o prelado, “a igreja põe desta forma à disposição da população, um instrumento do saber, uma ferramenta bastante útil que visa elevar a cultura de leitura adequada sobre a vida e o interesse de Deus para com os seres humanos".
Instado a referir-se da importância da tradução do documento, o bispo da Diocese de Benguela disse, que ela vai também incutir nas mentes o valor da doutrina social da igreja, para que as pessoas tenham em mente o amor ao próximo e a vivência na base da humildade.