Sociedade

Covid-19: Cidadão foge da quarentena institucional no Cuito

A fuga, na passada quarta-feira, de um cidadão que estava em quarentena institucional, na cidade do Cuito, no Bié, está a provocar pânico no seio da população, que teme pelo aumento dos casos de Covid-19 na província.

O porta-voz da Comissão Multissectorial de Prevenção e Combate à Covid-19 assegurou, sexta-feira, que o foragido não constitui ameaça à saúde pública, pelo facto de ter sido reactivo a IGG.

Por isso, João Campos apelou calma à população e explicou que a reacção a IGG deriva de antecedentes patológicos sem sintomas da Covid-19. O porta-voz justificou que a fuga terá sido provocada pela demora na recepção do resultado do teste de Biologia Molecular, uma vez que as amostras foram enviadas há mais de 40 dias para o Laboratório de Virologia de Benguela para testagem.

“Trata-se de um cidadão que ficou em quarentena mais de 40 dias, aguardando pelo resultado do teste de RT-PCR, que até sexta-feira, não chegou. Por este facto, presume-se que a fuga foi por ter atingido a frustração” disse.

O supervisor do Centro de Quarentena Institucional do Cuito, Muyuleno Santanda, explicou que a fuga deu-se na passada quarta-feira, no período nocturno, na parte traseira do local.

O supervisor, que é médico efectivo das Forças Armadas Angolanas (FAA), garantiu terem informações, mediante denúncia de populares, do local onde tem circulado o cidadão em causa.

Muyuleno Santanda reforçou que, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), as autoridades só devem manter em quarentena cidadãos com sintomas claros de Covid-19.

“O cidadão com teste reactivo a IGG, clinicamente, pode viajar, interagir com a família e trabalhar sem constituir perigo nenhum”, assegurou. Até sexta-feira, o Centro de Quarentena Institucional do Cuito tinha o controlo de 37 pessoas que aguardavam pelos resultados dos testes de Biologia Molecular.