Sociedade

Órgão vai rever políticas de construção de estradas

Conselho Nacional de Viação e Ordenamento do Trânsito (CNVOT) passa, a partir deste ano, a influenciar e corrigir as políticas de construção e conservação das estradas, com vista a diminuir a sinistralidade rodoviária no país, informou, ontem, em Luanda, o comandante-geral da Polícia Nacional.

Ao falar na abertura da 1ª sessão da reunião técnica extraordinária da Comissão do CNVOT, Paulo de Almeida disse que no ano passado foram registados 10.710 acidentes, o que resultou na morte de 2.327 pessoas e mais de 10 mil feridos, tendo considerado assustador o número de acidentes em 2019.
O comissário-geral disse que, apesar de ter havido em 2019 uma ligeira diminuição da sinistralidade, pode-se dizer que o impacto ainda não satisfaz a estabilidade da política de prevenção rodoviária, que é, também, uma das grandes preocupações do Executivo.
O comandante-geral espera que 2020 seja um ano de progresso e que se aposte em estradas largas, com maior estabilidade, segurança e com sinalização adequada. Disse que é importante que se construa as vias, sem esquecer da manutenção e da sua conservação.
Paulo de Almeida defende, também, que haja uma fiscalização rigorosa sobre o estado dos automobilistas e daqueles que pretendam obter a carta de condução. Sublinhou que é necessário que se crie um mecanismo de educação às crianças em relação ao valor da vida, da prevenção e do perigo da má utilização das estradas.
“Temos de dar passos e deixar de sermos teóricos e estudiosos apenas”, exortou Paulo de Almeida, exigindo dos membros do CNVOT maior profundidade na análise da situação da segurança rodoviária, por forma a se obter resultados concretos.
O comandante-geral defendeu a realização regular da inspecção às viaturas, o reajuste da carta de condução aos padrões da SADC e a implementação do projecto do documento único de veículo automóvel.
O director nacional de Viação e Trânsito, Elias Livulo, garantiu que tudo está a ser feito para que este ano se implemente a inspecção regular de veículos, de acordo às leis, recordando que uma boa parte dos acidentes, que se registaram no ano de 2019, estava associada ao mau estado técnico das viaturas e não apenas do excesso de velocidade.
Para o responsável, a política sobre a prevenção rodoviária compreende uma série de exigências técnicas e de procedimentos que precisam de ser reajustados, de acordo com os padrões internacionais e da SADC.
Durante a 1ª sessão da reunião técnica extraordinária da Comissão Executiva do Conselho Nacional de Viação e Ordenamento do Trânsito foram analisados temas como “A situação da sinistralidade rodoviária em Angola”, “O projecto do novo modelo da carta de condução”, o “Documento único do veículo automóvel” e a “Integração regional da SADC”.