Sociedade

Teresa Quicassa Delgado: Jovem do Quela apostou sempre na formação

Teresa Quicassa Delgado nasceu em 1992, no Quela, Malanje, neta do antigo regedor da Baixa de Kassanje, Nzaje ya Languela, um dos sobreviventes do massacre de Janeiro de 1961, falecido em 2017.

Teresa Delgado é filha de Martins Pedro Delgado, ex-FAPLA, e de Antonica Teixeira Quicassa, comerciante.

Em 1998, com 6 anos, a família viaja para Luanda devido à guerra. “Presenciei momentos de tortura diante dos meus familiares, que até hoje me vêm à alma, é um sabor amargo. A guerra só traz martírios e atrasa o desenvolvimento de qualquer povo”.

Foi difícil adaptar-se à vida de Luanda, as condições eram muito complicadas. “Ficámos numa tia, no Catambor, Maianga, depois fomos para a Estalagem, Viana. A minha mãe vendia pão com café e peixe frito na antiga praça do Salalé, o meu pai era desempregado e a fome atingiu em cheio a nossa família”.

“O meu pai foi o grande impulsionador da minha formação, sem dinheiro para pagar as propinas, dava-me explicações em casa, aprendi o abecedário com ele, com bastante rigidez e surra”.

Mais tarde, frequenta a explicação do professor Adão, “um génio do giz”, de quem muitos jovens da Estalagem beberam a sabedoria. De 2000 a 2003 frequenta da 1ª à 4ª classe na escola Ajudeca, sempre como uma das melhoras alunas, e começa a aprender inglês na casa do professor Nikissa, "outro grande professor de Viana".

“Quando era enxotada da escola devido à propina, ia à casa da minha tia-xará Teresa Delgado, que ajudava, ela também apostou em mim”.

“Em 2008 e 2009, frequentei a 9ª e a 10ª no colégio Tafi , onde fui a melhor aluna de inglês da turma, sendo agraciada com uma bolsa de estudos para a África do Sul mas, por razões familiares e de xenofobia patente neste país , não pude ir”.

Em 2010, depois de longos anos vividos na Estalagem, a família muda-se para o Camama, bairro Simione Mucune, onde termina o ensino médio, em Ciências Económicas e Jurídicas. “Não conseguia lidar com a mudança, Viana foi e sempre será a minha terra histórica”.

Quando conclui o ensino médio as coisas complicaram-se ainda mais, pois os pais não tinham dinheiro para custear a Universidade.

Em 2012, Teresa Delgado participa com a amiga Suzeth Nazaré nos programas da LAC Rádio Minha de Pedro Fernandes e Yolanda Bilala, no Alta Frequência de Elsa Fernandes, Carlos Queirós e Flávio Fernandes, na Rádio Fm Stéreo. “Nas rádios, eu, uma jovem, aprendi o valor da amizade, a pessoas como o Pedro e a Elsa Fernandes eu sou eternamente grata, sempre me apoiaram”, recorda Teresa Quicassa Delgado. “Ser jornalista sempre foi o meu sonho, amo esta profissão maravilhosa, é o ar que respiro, gostaria muito de o ver realizado”.

Aos 21 anos, inscreve-se no Curso de Comunicação Social e Sociologia da Universidade Agostinho Neto, mas não foi admitida, e em 2014 tenta o Instituto Superior Politécnico Internacional de Angola (ISIA), curso de Comunicação Social e Imagens, sem sucesso, por não dispor de valores para as propinas.

Em 2015, tenta de novo a Universidade Agostinho Neto, cursos de Língua Literaturas em Língua Portuguesa e Ciências Políticas, e foi admitida nos 2, escolheu o curso de Língua Portuguesa, por ser a primeira opção.

“Com dedicação e empenho comecei a gostar do curso e, devido às minhas boas notas e às minhas dificuldades financeiras, ganhei uma bolsa de estudos interna do INAGBE”, conta. “Fui bolseira durante os 4 anos da licenciatura”.

Este curso - diz - “fomentou a paixão pela arte literária, a literatura mudou a minha vida, nela navego numa profundidade inabalável, rompo barreiras e partilho momentos imensuráveis com pessoas indescritíveis de alguns pontos do mundo”.

Em 2016, Teresa Delgado envereda pela pedagogia e lecciona Educação Moral e Cívica e Educação Física no colégio Gamaliel. “Por meio da pedagogia eu transmito os princípios morais aos jovens, convivo com eles partilhando conhecimentos, mensagens de fé, luta e persistência. Preocupa-me a questão da prostituição infantil, gravidez precoce, exploração sexual, não tenho apenas a missão de ensinar, mas de valorizar, reforçar a capacidade de os jovens sobreviverem às dificuldades”.

Em 2018, Teresa Delgado terminou a Faculdade . "Devo este sucesso académico à minha tia Júlia Nzaje, aos meus pais, ao meu eterno professor Manuel Domingos, aos meus colegas de formação pela confiança e apoio psicológico”.

Teresa Quicassa Delgado é professora de Língua Portuguesa do II Ciclo do Ensino Secundário , no Complexo Escolar João Cláudio, há 4 anos. Tem textos publicados na Antologia Poética Nós e a Poesia, Antologia Feminina Pétalas d´Alma, na revista cultural Palavra & Arte e na Revista Literária O Fio da Palavra.